Se você costuma acompanhar notícias sobre o desempenho das empresas, já deve ter ouvido a expressão Ebitda.

Esse termo é muito comum quando se fala em lucro e receita, mas sua compreensão nem sempre é tão simples.

A partir de agora, você vai entender o que essa expressão significa, por que ela é confundida com outras métricas e como você pode utilizá-la ao planejar e acompanhar os seus investimentos. Acompanhe!

Qual é a definição de Ebitda?

Ebitda é a sigla para uma expressão em inglês que significa Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization, ou seja, Lucro Antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização. Outro nome comum para Ebitda é LAJIDA.

Esse é um conceito que vem da Contabilidade e, em termos mais simples, aponta a receita gerada por uma companhia em sua atividade principal, inclusive antes de considerar o gasto com dívidas e os ganhos com aplicações financeiras.

Esse indicador é divulgado trimestralmente pelas companhias de capital aberto em seus balanços. A partir de seu acompanhamento, é possível entender a saúde de um negócio e sua capacidade de gerar caixa ao longo do tempo.

O Ebitda também é bastante utilizado na análise fundamentalista. Essa metodologia de investimentos leva em conta os indicadores (também chamados de fundamentos) de uma empresa para determinar se seus papéis são um bom negócio ou não.

Como o Ebitda é calculado?

O Ebitda busca eliminar de seu cálculo todas as atividades que não fazem parte do negócio principal de uma empresa, permitindo enxergar com mais clareza qual é o seu desempenho real.

Em teoria, uma companhia pode fazer dinheiro de várias formas: 

  • receita da venda de seus produtos e serviços (atividade principal);
  • aplicações financeiras a partir do caixa gerado pela atividade principal;
  • licenças, patentes, direitos autorais, concessões, receita de patrocínio;
  • aluguel ou venda de bens.
  • O cálculo do Ebitda considera apenas o primeiro item dessa lista. Algumas companhias já trazem esse número na hora de divulgar seus balanços, entendendo que ele é um dos principais indicadores acompanhados pelo mercado.

    Porém, caso o Ebitda não venha descrito nessa divulgação, é possível calculá-lo da seguinte maneira:

    EBITDA = Lucro operacional líquido + Depreciações + Amortizações

    Nesse caso, as depreciações e amortizações precisam ser somadas, pois o indicador de lucro operacional subtrai esses valores.

    Depreciação e amortização: entenda melhor

    Ainda no terreno da Contabilidade, existem dois fenômenos que não são considerados no cálculo do Ebitda, mas que afetam o resultado geral de uma empresa: a depreciação e a amortização.

    Depreciação

    Todo recurso utilizado na produção de uma empresa (máquinas, veículos, móveis e imóveis) está sujeito ao desgaste com o passar do tempo. 

    A depreciação é uma forma de precificar esse desgaste, uma vez que ela aponta em que ritmo um ativo perde valor. Assim, é possível prever, por exemplo, quando ele deve ser substituído.

    Amortização

    A amortização contábil, por sua vez, é um processo semelhante à depreciação. No entanto, ela considera os bens intangíveis de uma empresa, como as dívidas e as aplicações financeiras, as patentes, os direitos autorais, as licenças e as concessões.

    Como o Ebitda se trata da receita gerada antes desses fenômenos, enxergá-los de maneira separada pode ajudar a entender se, por exemplo, as dívidas de uma companhia estão em um nível saudável, se os ganhos com aplicações financeiras são maiores do que a sua receita principal, e assim por diante.

    Outros termos relacionados ao Ebitda

    1 – Ebit

    Do inglês Earnings Before Interest and Taxes, Ebit é uma outra forma de enxergar a geração de caixa de uma empresa, agora sem considerar depreciação e amortização.

    Essa métrica é usada para comparar empresas de diferentes países e setores produtivos, uma vez que os impostos, os tipos de financiamentos e até as aplicações financeiras podem exigir condições diferentes de avaliação.

    2 – LAJIR e LAIR

    As siglas LAJIR e LAIR são as versões em português de variações do Ebit. A primeira significa Lucro Antes de Juros e Imposto de Renda (Ebit) e a segunda, Lucro Antes do Imposto de Renda. Ambas avaliam o resultado financeiro puro de um negócio.

    3 – Margem Ebitda

    É um indicador que expressa a margem de lucro da companhia sem considerar os custos com juros, impostos, depreciação e amortização. É útil para determinar a eficiência da operação. O cálculo da Margem Ebitda é feito da seguinte forma:

    Margem EBITDA = EBITDA / Receita Líquida x 100.

    Quanto maior for o resultado desse cálculo, mais uma companhia tende a ser operacionalmente eficiente. No entanto, é preciso ter cautela com esse indicador, pois ele não considera o nível de endividamento da empresa.

    4 – EV/Ebitda

    Indicador usado em análise fundamentalista para entender a relação entre o valor de uma empresa e sua geração de caixa. 

    O valor EV, ou Enterprise Value ou Valor da Firma, é determinado pelo valor de mercado da empresa (ações em circulação ou capital investido) somado às dívidas, subtraindo caixa e ativos não-operacionais (dinheiro ou investimentos de curto-prazo), conforme o cálculo a seguir: 

    EV = Capitalização + Dívida – Caixa e Equivalentes – Ativos Não-Operacionais

    O EV/Ebitda serve para comparar companhias de setores semelhantes para entender quais estão descontadas (mais baratas) em relação às outras. Também serve para acompanhar a evolução de uma empresa nesse quesito ao longo do tempo.

    5 – Dívida líquida/Ebitda

    Outro indicador bastante explorado em análise fundamentalista, mostra quanto uma empresa precisaria gerar de receita para pagar suas dívidas. Dessa forma, um resultado igual ou menor do que 1 significa que a receita cobre as dívidas da companhia. 

    Por outro lado, quando o resultado é maior que 1, isso mostra quantos períodos de receita operacional uma empresa precisa gerar para pagar a dívida em questão. Convencionalmente, o mercado considera positivo um resultado abaixo de 2 para esse indicador.

    Como o Ebitda afeta os seus investimentos?

    Como você viu, o Ebitda é uma métrica muito importante para saber se vale a pena investir ou não em uma companhia.

    Dessa maneira, entender o que esse indicador significa e acompanhar o seu histórico são atitudes essenciais para manter uma carteira de investimentos saudável.

    Agora que você já entende melhor o que significa Ebitda, que tal ver como otimizar suas aplicações financeiras? Baixe grátis o ebook Como Montar a Carteira de Investimentos Ideal e saiba mais!