Ações de grandes companhias estrangeiras chamam atenção pela solidez das empresas, pela exposição na mídia e pelas constantes inovações que elas promovem. Além disso, marcas queridinhas como Amazon, Facebook e Netflix vem despertando cada vez mais o interesse do brasileiro em investir no exterior.

Mas será que é possível aplicar o seu dinheiro nas ações dessas empresas? A resposta sempre foi sim. 

O que mudou é que, hoje em dia, a tecnologia e o surgimento das fintechs permitem que mais pessoas tenham acesso a esses tipos de aplicação por diferentes meios, que vamos explorar a seguir.

A partir de agora, você vai ver as cinco principais formas de investir nas ações da Amazon, do Facebook e da Netflix, além de outras empresas estrangeiras. Acompanhe! 

5 formas de investir em ações da Amazon, Facebook e Netflix

1 – Investir em Fundos de investimento

Os fundos de investimento são a forma mais prática de investir em ações de empresas, seja no Brasil, seja no exterior. A ideia é delegar a gestão para profissionais especializados, que fazem a seleção dos ativos na proporção mais adequada para a estratégia de cada um deles. 

Outra vantagem é que essa gestão profissional faz ajustes na carteira dessas aplicações de tempos em tempos, de acordo com as condições do momento. Ou seja, você não precisa ficar acompanhando o mercado o tempo todo, os gestores profissionais fazem isso por você.

Existem fundos de renda variável e fundos multimercado que podem investir em ações da Amazon, Facebook, Netflix e outras diversas companhias fora do Brasil. A diferença é o tipo de estratégia usada para decidir quais papéis comprar e como equilibrar a carteira de cada um. 

Por esse serviço, eles cobram a chamada taxa de administração, que é a remuneração dos gestores. Além disso, boa parte desse tipo de fundo também tem a famosa taxa de performance: um valor adicional sobre determinado patamar de rentabilidade.

2 – BDRs

Os Brazilian Depositary Receipts ou BDRs são recibos de ações estrangeiras negociadas no Brasil. Quem compra BDRs está comprando, na prática, a versão brasileira de ações estrangeiras, com todos os direitos que elas oferecem.

O principal ponto em relação a esse tipo de investimento é a necessidade de comprar cada papel individualmente, o que pode acabar saindo mais caro para quem não tem tanto dinheiro para investir. Além disso, também é necessário desenvolver a própria estratégia para entender o que comprar e o que vender em cada momento. 

Porém, trata-se de uma forma interessante de diversificar o seu portfólio de investimentos e pode ser uma alternativa interessante para objetivos de longo prazo.

Você sabia que pode usar BDRs como garantia para obter um empréstimo? Quer saber quais são as condições para você? Faça uma simulação gratuita e descubra!

3 – COEs

Os Certificados de Operações Estruturadas (COEs) são investimentos customizados. Cada corretora tem ofertas personalizadas para diferentes públicos.  

Um COE é basicamente uma estratégia de investimentos composta pela compra ou venda em conjunto de determinados títulos, que podem ser ações, opções ou até ativos de renda fixa. Os ganhos geralmente se dão pelo prêmio pago pelas opções ou pela diferença entre a parte vendida e a parte comprada da operação.

Entre as ofertas também está a possibilidade de investir em ações de companhias estrangeiras de tecnologia. No entanto, é preciso prestar atenção à estrutura da operação.

É preciso entender se ela compra ativos diretamente ou busca ganhar com a sua variação. Outro ponto importante é saber se o capital investido tem alguma possibilidade de devolução caso a estratégia não tenha sucesso.

4 – ETFs

Os Exchange Traded Funds (ETFs, na sigla em inglês) são aplicações financeiras que replicam o comportamento de um determinado índice. 

A função de um ETF é comprar todos os ativos que compõem o seu índice de referência, respeitando exatamente a mesma quantidade de papéis.

O objetivo é que a variação seja a mais próxima possível do comportamento desse índice de referência, quer ele suba, quer ele caia.

Os ETFs seguem uma lógica bem parecida com a dos fundos de investimento. Contudo, como não há uma gestão humana definindo o que entra e o que sai da carteira, eles têm taxa de administração bem menor e não cobram taxa de performance.

No caso de papéis de companhias estrangeiras, já existe uma grande oferta de ETFs relacionados ao setor de tecnologia, o que pode facilitar a vida de quem busca investir especificamente nesse ramo.

5 – Abrir conta em corretora nos EUA

Outra maneira interessante de adquirir ações dessas companhias é abrir uma conta em uma corretora nos Estados Unidos. Dessa maneira, você pode comprar ativos diretamente nas bolsas americanas.

Novamente, a grande vantagem é a possibilidade de diversificar, inclusive em investimentos fora do Brasil. No entanto, é necessário fazer um trabalho mais intenso de análises, pesquisa de ativos e acompanhamento da sua carteira.

Porém, a boa notícia é que já existem corretoras brasileiras no exterior especializadas em atender brasileiros, o que ajuda a quebrar a barreira do idioma e faz com que dar esse passo seja um pouco mais confortável.

Vale a pena investir em ações de empresas de tecnologia?

Ações de empresas de tecnologia vêm chamando bastante a atenção do público, especialmente por conta de seus sucessivos recordes de alta nos últimos anos. Além disso, por se tratarem de marcas conhecidas globalmente, elas inspiram confiança.

No entanto, qualquer investimento em renda variável depende de uma análise bastante criteriosa,  que passa obrigatoriamente pelo seu perfil de investidor e pelos seus objetivos.  

Como se tratam de aplicações para o longo prazo, é importante balancear a sua carteira para que ela não fique concentrada nas ações de apenas um tipo de companhia. Assim, você diminui os riscos de ter a sua rentabilidade prejudicada em momentos de crise.

Depois da análise do seu perfil e dos seus objetivos, é preciso entender quais papéis  são mais adequados para atingir as suas metas. Você pode construir a sua carteira mesclando ações de empresas de alto potencial de crescimento com os papéis de companhias mais maduras, pagadoras de dividendos. 

O percentual ideal para equilibrar a sua carteira depende das suas metas. Para aposentadoria ou construção de patrimônio, por exemplo, você não precisa optar por um grande número de papéis de empresas pagadoras de dividendos, uma vez que o seu objetivo deve se realizar no longo prazo.

Porém, caso sua ideia seja complementar a renda, você pode optar por mais ações de companhias que pagam dividendos regulares.

No fim, a resposta que você procura depende muito mais das suas próprias definições. Mas é importante lembrar sempre que cada pessoa tem necessidades diferentes e que, por isso, demanda soluções diferentes. Nem tudo o que serve para os outros serve para você, e vice-versa.

Como você viu, existem várias formas de investir nas ações da Amazon, Facebook, Netflix e diversas outras empresas estrangeiras. E agora que você conhece as alternativas, que tal se aprofundar em como investir de forma mais inteligente? Baixe grátis o ebook Como Montar a Carteira de Investimentos Ideal e saiba mais!