Se você tem ou pensa em ter o seu próprio negócio, já deve ter buscado saber mais sobre financiamento para MEI e pequenas empresas. No entanto, é natural ter dúvidas sobre qual é a melhor linha para o seu caso.

Neste post, vamos entender as principais fontes de financiamento para os pequenos negócios. Também vamos ver o que vale mais a pena: pegar um empréstimo em nome da empresa ou da pessoa física.

Além disso, vamos entender como tirar os seus projetos do papel sem descuidar do seu planejamento financeiro pessoal. Continue a leitura!

Como equilibrar as finanças pessoais e as do seu negócio?

Especialmente para quem está começando, pegar um empréstimo em nome de uma pessoa física é uma opção bastante comum para tocar os seus negócios.

Os pequenos empreendedores geralmente iniciam seus planos a partir de um evento de liquidez, como a rescisão de um contrato de trabalho, a venda de um imóvel, o recebimento de uma herança e assim por diante.

Com essa disponibilidade de capital, já é possível começar a tirar alguns projetos do papel. E, para completar os recursos, o caminho mais fácil é recorrer aos tipos de empréstimo para a pessoa física.

Porém, nem sempre essa é a melhor solução. Quando não há um controle rígido e uma separação entre os recursos pessoais e os da empresa, existe uma grande chance de os negócios saírem prejudicados.

Por isso, assim que possível, o ideal é que você tenha pelo menos:

  • Conta PJ: ajuda a controlar o capital de giro do negócio e a separar o seu dinheiro pessoal dos recursos da empresa. Nos bancos digitais, já existem opções gratuitas, com serviços adicionais pagos conforme o uso; 
  • Cartão de crédito/débito PJ: ajuda a controlar os gastos do dia a dia e a contratar formas mais rápidas de crédito. No entanto, é preciso atenção às taxas de juros e às tarifas cobradas nesses cartões;
  • Reserva para emergências da empresa: além do dinheiro usado nas atividades do dia a dia, é importante ter alguma quantia para imprevistos. Assim, você evita o endividamento e permite que seu negócio consiga sobreviver;
  • Reserva para emergências pessoais: da mesma forma que imprevistos podem acontecer na sua empresa, também podem ocorrer na sua vida pessoal. Por isso, guarde também algum valor para esses momentos, pensando em quanto tempo você conseguiria se bancar se não tivesse nenhuma fonte de renda. Para pessoas com renda mensal indefinida, o ideal é que essa reserva seja de pelo menos 12 meses de despesas.

A partir daí, cada empresa terá a sua necessidade: há aquelas para as quais a máquina de cartão de crédito/débito é fundamental. Para outras, o ideal é emitir boletos

Outras ainda podem se beneficiar das carteiras digitais, ferramentas por meio das quais os clientes conseguem fazer pagamentos eletrônicos, sem a necessidade de usar a maquininha.

Quais são as linhas de financiamento para MEI e pequenas empresas?

1 – Microcrédito 

As linhas de microcrédito são oferecidas por grandes bancos públicos e privados para financiar atividades de micro e pequenas empresas. As taxas costumam variar muito conforme o prazo de pagamento e o valor contratado. 

No entanto, como esses bancos já destinam parte de seus recursos para esse tipo de empréstimo, os valores podem ser mais flexíveis, especialmente se houver garantias de pagamento, como imóveis, veículos e assim por diante.

2 – Crédito para capital de giro

O crédito para capital de giro está diretamente associado à produção das empresas. Ele é destinado a prover os recursos necessários para manter ou ampliar a produção e bancar os gastos do dia a dia.

Essa modalidade pode ser facilmente encontrada nos bancos públicos e privados. No entanto, ela costuma ser concedida para empresas mais estruturadas, que já têm sua produção em andamento, e que podem oferecer garantias de pagamento.

3 – Antecipação de recebíveis

Se você aceita pagamentos por máquina de cartão ou costuma fazer vendas a prazo, sabe que o dinheiro leva algum tempo para ficar disponível.

No entanto, é possível antecipar esses pagamentos por meio de uma linha de empréstimo oferecida por grandes bancos: a antecipação de recebíveis.

Nela, o banco cobra uma taxa para adiantar o valor dos pagamentos para a sua empresa e assumir o recebimento desses valores no futuro.

No entanto, é preciso prestar atenção às taxas desse tipo de empréstimo, que variam conforme o perfil da sua empresa.

Onde contratar um financiamento para MEI?

1 – Linhas de financiamento do BNDES

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) oferece vários programas de financiamento para as atividades mais diversas dos micro e pequenos empreendedores, inclusive para o Microempreendedor Individual (MEI). 

Suas linhas de crédito estão fortemente ligadas à inovação e ao desenvolvimento econômico regional e geralmente são voltadas para negócios em estágios mais avançados. 

O papel do BNDES também é repassar valores de programas do governo federal, como o Pronampe, por exemplo, uma linha de crédito criada durante a pandemia de Covid-19 para conter as demissões e ajudar na produção das pequenas empresas.

2 – Linhas de financiamento para MEI da Caixa Econômica Federal

Assim como o BNDES, a Caixa oferece linhas de crédito baseadas em recursos do governo federal. Existem linhas específicas para cada setor: indústria, agronegócio e comércio e serviços. 

As condições variam conforme o estágio do negócio, os valores da operação e o perfil de crédito da empresa que solicita, além do próprio nível de maturidade do negócio e sua capacidade de geração de caixa.

O banco público também tem uma parceria com o Sebrae, entidade que oferece capacitação para micro e pequenos negócios formais e informais, incluindo fomento à atividade do MEI.

3 – Crédito no Banco da Amazônia e Banco do Nordeste

Além da Caixa do BNDES, que são entidades que atuma em nível nacional, outros bancos públicos também compões o ecossistema de fomento à atividade de micro e pequenas empresas.

Instituições como Banco da Amazônia e o Banco do Nordeste, por exemplo, têm atuação mais forte no fomento ao desenvolvimento regional e à inovação em negócios locais.

4 – Empréstimo via cooperativas de crédito

Também ligadas ao desenvolvimento regional, as cooperativas de crédito também oferecem opções de empréstimo para micro e pequenas empresas. 

Tratam-se de grupos de pessoas (cooperativados) que se reúnem justamente para oferecer uma alternativa de crédito para quem precisa financiar suas atividades. Em troca, os cooperativados participam do lucro das operações da instituição. 

No Brasil, duas das maiores cooperativas de crédito são o Sicoob e o Sicredi.

5 – Crédito oferecido por fintechs

As fintechs de crédito, que são empresas de tecnologia especializadas em serviços financeiros nesse segmento, também oferecem alternativas para empreendedores que precisam contratar um empréstimo.

Elas podem atuar no modelo market place, mostrando as diferentes ofertas disponíveis, ou podem atuar no modelo peer-to-peer lending (empréstimo entre pessoas). Algumas empresas que oferecem esse serviço são:

  • Nexxos;
  • Biva;
  • Mutual;
  • Kavod Lending.

Vale a pena pegar um financiamento para MEI em nome de uma pessoa física?

Como você viu, existem várias possibilidades de empréstimo e financiamento para MEI. No entanto, usufruir delas depende da regularização do negócio e da própria aprovação do crédito pelas instituições financeiras.

Caso o seu negócio ainda não esteja nesse estágio, é possível recorrer ainda a empréstimos na pessoa física.

No entanto, é preciso tomar todos os cuidados para não entrar em dívidas muito grandes e, assim que possível, fazer a separação entre o seu capital e o capital do negócio.

Algumas possibilidades para começar são:

  • Crédito com garantia de imóvel ou veículo: hoje com taxas na casa de 1% ao mês, essa categoria usa os bens como garantia de pagamento. Ou seja, em caso de inadimplência, o seu imóvel ou veículo podem ser vendidos para quitar o saldo devedor;
  • Empréstimo consignado: caso você tenha carteira assinada, trabalhe no setor público ou receba algum benefício do INSS, pode usar esse pagamento para obter o crédito consignado e custear o início das atividades da sua empresa. Essa modalidade oferece taxas na casa dos 2% ao mês;
  • Crédito com Garantia de Investimentos (CGI): se você tem algum dinheiro guardado, pode usar seus investimentos para obter um empréstimo com garantia. É possível usar aplicações de renda fixa (como CDB, LCI, LCA), ações, BDRs, ETFs e FIIs para obter crédito e, dessa maneira, se capitalizar para investir nos seus projetos. Essa modalidade oferece taxas bem mais baixas e pode ser contratada de maneira mais rápida.