Pensando em comprar um imóvel? O financiamento de imóvel é uma das alternativas para te ajudar a alcançar esse objetivo. 

Como essa é uma decisão que envolve diversas variáveis e resulta em um compromisso de longo prazo, vale a pena prestar atenção em alguns pontos antes de fechar negócio.

A partir de agora, você vai entender as principais questões que envolvem a contratação desse serviço. Também vai saber em que precisa prestar atenção para tomar a melhor decisão para o seu planejamento financeiro. Continue conosco!

Qual é a hora certa para financiar um imóvel?

Muitas pessoas sonham em ter a casa própria e trabalham muito para alcançar essa meta. No entanto, dependendo do seu momento de vida, pode valer a pena esperar um pouco mais para adquirir um imóvel. Considere os seguintes pontos:

a) Qual é a chance de você continuar vivendo no mesmo lugar nos próximos anos?

No seu contexto de vida atual, você tem algumas prioridades quando se trata da localização do seu imóvel: se você mora em um grande centro urbano e precisa se deslocar para cumprir seus compromissos, geralmente dá preferência para imóveis perto do metrô, próximos a grandes avenidas ou bem atendidos por outros tipos de transporte.

Porém, qual é a chance de a sua vida permanecer exatamente do mesmo jeito nos próximos anos? Existem infinitas possibilidades dependendo das suas aspirações profissionais, do estilo de vida que você quer levar e até do tamanho da sua família. Isso porque os imóveis perto do centro costumam ser menores.

Então, faça uma reflexão sobre quais são as suas perspectivas e o que você quer para o seu futuro. Caso você se veja em outro lugar, quais características esse lugar precisa ter para que você leve uma vida confortável?

b) Existe alguma possibilidade de a sua família aumentar? Quanto tempo você tem para se preparar?

Para quem é recém-casado ou pretende se juntar a alguém em breve, quais são as perspectivas de ter filhos? E de trazer os parentes para viver no mesmo lugar?

Isso precisa ser levado em conta com antecedência para que você não feche um negócio do qual você possa se arrepender ou tenha que fazer adaptações para o seu novo contexto.

Muitas vezes, basta apenas algum tempo de reflexão para mudar o seu ponto de vista sobre o assunto. Em aquisições complexas como essa, um mínimo detalhe pode alterar a sua decisão.

c) Qual é a diferença de custo entre pagar aluguel e pagar a parcela da em um financiamento de imóvel?

Quanto tempo você pode esperar para comprar o seu imóvel? Faz sentido esperar um pouco mais, juntar dinheiro e dar o maior valor de entrada possível? Ou a solução é mesmo ter o seu próprio espaço o mais rápido possível?

Enquanto isso, morar de aluguel pode ser uma opção, desde que não prejudique a formação do seu patrimônio. Caso a parcela do financiamento do seu imóvel seja igual ou menor do que o valor de locação, pode valer a pena investir na aquisição.

Por outro lado, ser inquilino permite que você tenha mais flexibilidade diante de eventos não planejados.

Dessa maneira, vale a pena fazer simulações para entender qual seria o valor da parcela do seu financiamento e como você pode equilibrar todas as suas contas para que a dívida seja paga sempre em dia. 

Os sites dos bancos oferecem essa ferramenta, que muitas vezes é gratuita. A mais famosa delas é o simulador de financiamento imobiliário da Caixa Econômica Federal.

O que você deve precisa saber antes de contratar um financiamento imobiliário

Agora que você já entendeu os pontos do seu planejamento financeiro que você precisa levar em conta antes de entrar em um financiamento, chegou o momento de ver como fazer a contratação do serviço na prática. 

Hoje em dia é possível contratar financiamentos de 30 anos de duração ou até mais, dependendo da sua idade. Um compromisso como esses não é barato e envolve muitos detalhes. Confira algumas questões para responder antes de fechar negócio:

1 – De quanto dinheiro você realmente precisa para um financiamento de imóvel?

Além da quantia para pagar o preço da propriedade, também é necessário levar em conta os custos cartoriais. Existe uma tarifa para registrar o imóvel em seu nome que equivale a cerca de 5% do valor do imóvel.

Existem também as comissões dos corretores de imóveis envolvidos no negócio, que também ficam em torno de 5% do valor da propriedade. Essas duas quantias já encarecem bastante o seu financiamento.

O ideal é que você tenha um valor disponível para dar como entrada e que separe um montante para pagar esses custos. É claro, o banco pode embutir esses valores no seu financiamento, só que isso faz com que ele saia mais caro.

Lembrando que, na hora de contratar o crédito imobiliário, você precisa comparar o Custo Efetivo Total da operação (CET), que representa o valor que você realmente está pagando pelo dinheiro emprestado.

2 – Você tem conta em algum banco ou precisará abrir uma nova?

Ter um bom histórico de relacionamento com determinado banco pode ajudar no momento de fazer um financiamento imobiliário.

Como as condições variam muito, você pode sair na frente se estiver com todas as contas em dia e não tiver nenhum histórico de inadimplência. 

Além disso, no futuro você pode desejar renegociar o seu financiamento imobiliário. Estar em um banco que tenha o seu histórico pode ser uma vantagem.

Porém, caso outra instituição ofereça condições mais vantajosas, vale a pena abrir uma conta na nova instituição. Nesse momento, reforce o seu bom histórico e cuide bem do seu score de crédito.

3 – Qual é o seu score de crédito?

O score de crédito é um cálculo estatístico que determina a probabilidade de uma pessoa deixar de pagar uma dívida. Para isso, são considerados diversos fatores, como: renda, idade, região onde mora, e assim por diante.  

A medida de um score de crédito geralmente vai de 0 a 1000, sendo que quanto mais alto, melhor. 

Os birôs de crédito (como Serasa e Boa Vista) são as empresas que fazem esse cálculo e fornecem informações para bancos e financeiras. Por isso, é comum ouvir falar em consulta ao Serasa ou SPC na hora de contratar crédito. Você pode entrar nos sites dessas instituições para descobrir qual é o seu score. 

Uma das maneiras de melhorar o seu score de crédito é fazer o chamado Cadastro Positivo: um sistema integrado entre os birôs e bancos para disponibilizar informações de maneira mais rápida sobre pessoas que têm bom histórico de pagamentos. 

No entanto, caso você fique inadimplente, isso pode ser prejudicial para o seu score e, consequentemente, para o seu financiamento.

4 – Está fazendo um financiamento de imóvel junto com alguém?

Quando você faz um financiamento de imóvel unto com alguém, é muito comum que a pessoa mais velha se torne  titular do empréstimo, muito por conta do cálculo dos valores dos seguros obrigatórios.

Quanto maior for a idade da pessoa, maior tende a ser a taxa do Seguro por Morte e Invalidez. Tenha isso em mente antes de contratar e busque outra alternativa, se possível. 

5 – Sabia que você pode usar seu FGTS para abater parte do valor da dívida?

Um dos pontos que ajudam na hora de fazer um financiamento de imóvel é a possibilidade de usar o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) no caso dos trabalhadores com carteira assinada. Para isso, é necessário trabalhar no regime CLT há pelo menos três anos.

Você pode usar esses recursos para dar a entrada e reduzir a quantidade de dinheiro que você precisa para iniciar a operação. Outra possibilidade é usá-lo a cada dois anos para abater parte da dívida, a chamada amortização do financiamento

Agora que você já sabe o que precisa considerar antes de fazer o financiamento de uma casa, pode querer entender como pagar essa dívida mais rápido. Por isso, confira o nosso post sobre como quitar mais rápido um imóvel financiado e saiba como se preparar para executar esse plano.