A planilha de gastos é uma das principais ferramentas que ajudam nesse sentido. do descontrole financeiro é a falta de um acompanhamento preciso das despesas. Mas como tornar essa tarefa mais simples?

Uma boa planilha de gastos não precisa ter tecnologia de ponta para ser boa. Basta que ela seja adequada para a sua realidade e, claro, que te ajude a alcançar o equilíbrio nas suas finanças pessoais.

Neste post, vamos entender o que você precisa levar em conta para construir ou adaptar a sua própria planilha de gastos. Você também vai conhecer aplicativos de controle financeiro que podem complementar o seu planejamento financeiro. Continue conosco!

Passo 1: entenda de onde vem a sua renda

O primeiro passo para construir a sua planilha de gastos é saber de onde vem a sua renda. O salário é a resposta mais óbvia, mas também é possível obter renda de aluguéis, do trabalho freelancer e assim por diante. 

Além disso, o rendimento mensal de aplicações como os fundos imobiliários (FIIs) também deve entrar nessa conta inicial.

A partir daí, você começa a compreender um conceito da Contabilidade chamado fluxo de caixa: qual é o volume de recursos que entra na sua conta e qual é o volume que sai. Vamos ver mais sobre essa segunda parte no próximo tópico. 

Passo 2: mapeie as suas despesas

Essa parte pode dar um pouco mais de trabalho. Por isso, comece pelos gastos essenciais: considere as contas de consumo e outras despesas fixas, como gastos com educação e saúde. Depois, vá para os extratos bancários e cartões de crédito.

Busque mapear pelo menos os três últimos meses de despesas para separá-las em categorias, como:

  • gastos essenciais: supermercado, contas de consumo, despesas com escola e assim por diante;
  • gastos recorrentes: mensalidades de serviços, vestuário, lazer e assim por diante;
  • gastos imprevistos: compra de presentes ou itens que não fazem parte do seu dia a dia.
  • Após esse mapeamento, é hora de colocar um limite para cada uma dessas categorias. Isso é necessário para identificar descontroles e pontos de otimização. Assim, é possível até fazer sobrar dinheiro. 

    Passo 3: escolha a ferramenta mais adequada

    Depois de entender os fluxos de entrada e saída de dinheiro, é hora de juntar tudo isso em um único lugar para acompanhar a evolução das suas contas de forma simples.

    Nesse ponto, não existe certo e errado. O ideal é que você disponha essas informações de maneira a entender rapidamente o que é dinheiro entrando e o que é dinheiro saindo.

    Há quem se dê melhor com papel e caneta. Há quem prefira os aplicativos. Há quem goste das planilhas de Excel. Neste último caso, existem os modelos a seguir, que você já pode começar a usar imediatamente, se desejar:

    No caso dos aplicativos de controle financeiro, algumas opções são:

  • Gestor de despesas;
  • GuiaBolso;
  • Minhas Economias;
  • Mint;
  • Mobills;
  • MoneyWise;
  • Olivia;
  • Organizze.
  • Passo 4: crie uma rotina de acompanhamento em sua planilha de gastos

    Agora, é hora de colocar a disciplina em prática, pois é preciso acompanhar constantemente a sua situação financeira para mantê-la saudável.

    Justamente por isso, você precisa encontrar um sistema que funcione bem dentro do seu contexto. É muito comum que as pessoas abandonem o monitoramento porque ele é complexo de ser executado, leva muito tempo ou exige muito esforço.

    Evite essas armadilhas e transforme o controle dos seus gastos em um hábito. Para isso, troque de ferramenta se achar necessário e comece todo o processo outra vez. Novamente, não existe certo ou errado. O que importa é encontrar um método que funcione para você.

    Passo 5: comece a trabalhar nas suas metas em sua planilha de gastos

    Uma vez que você dominar o seu fluxo de caixa, é o momento de começar a trabalhar nos seus objetivos financeiros.

    Por isso, considere separar uma parte da sua renda para investir e, assim, construir seu patrimônio, guardar dinheiro para viver de renda no futuro, comprar um imóvel, viajar e assim por diante.

    Com os seus gastos e despesas organizados, você encontrará espaço para otimizar as suas despesas e, assim, investir no seu futuro. Agora que você sabe como montar a sua planilha de gastos, que tal partir para outro passo importante para as suas finanças? Aprenda aqui mesmo a criar a sua reserva de emergência. Assim, você se prepara para lidar com imprevistos e tem mais chances de conseguir aproveitar boas oportunidades.