As fintechs (empresas de tecnologia voltadas para serviços financeiros) já estão revolucionando o mercado bancário no Brasil. E não é diferente no segmento de crédito. Tanto é que já existem dezenas à disposição dos consumidores. Mas a pergunta é se as fintechs de crédito pessoal valem a pena.

A partir de agora, você vai entender mais detalhes sobre como funcionam essas empresas e ver os principais aspectos relacionados à segurança que elas oferecem. Se você tiver mais dúvidas, fique à vontade para deixar seu comentário ao final do post. 

Quais são as principais fintechs de crédito pessoal no Brasil? 

Existem mais de 100 startups brasileiras especializadas em crédito. Dessas, 43 oferecem empréstimos de forma direta aos seus clientes e outras 39 conectam fornecedores e consumidores (os chamados marketplaces). Os números são do relatório mais recente do Distrito, hub de fomento a fintechs. 

O Distrito também elaborou um ranking das maiores fintechs do Brasil considerando número de funcionários, crescimento no último ano, faturamento presumido, investimento captado e métricas na internet. No top 10 do ranking, estão as seguintes fintechs de crédito pessoal: 

C6 Bank 

Fundado em 2018 por ex-sócios do BTG Pactual, o banco oferece crédito consignado por meio de seu aplicativo.  

Creditas 

Com o posto de unicórnio alcançado em 2020, a empresa é especializada em crédito com garantia de imóvel, o chamado home equity, e de veículo, o auto equity.   

Nubank 

Um dos primeiros unicórnios brasileiros, a empresa que começou oferecendo cartão de crédito sem anuidade passou também a ter uma modalidade de empréstimo pessoal a partir da portabilidade de salário do cliente. 

PagSeguro 

Focada em soluções de crédito para microempreendedores, a fintech oferece empréstimo pessoal para quem já utiliza outros serviços da plataforma.  

As fintechs de crédito pessoal valem a pena e são seguras? 

Muitas pessoas ainda têm alguma resistência a utilizar serviços de fintechs por conta da segurança. Como a maioria deles está disponível de forma 100% onlineisso pode trazer alguma desconfiança para quem tem mais familiaridade com a maneira tradicional de contratar um empréstimo

No entanto, justamente por causa do DNA tecnológico, as fintechs fazem altos investimentos na segurança de seus sistemas e têm equipes inteiras dedicadas a combater golpes e fraudes.  

Além disso, o Banco Central fiscaliza essas empresas e costuma ter um relacionamento bastante próximo com suas lideranças, de maneira a garantir um ambiente saudável de negócios.  

Vale a pena fazer um empréstimo em fintechs de crédito pessoal? 

Como você viu, as fintechs de crédito pessoal já representam uma alternativa aos grandes bancos e ao famoso crediário das varejistas. 

Uma das maiores vantagens que elas oferecem é a taxa de juros mais baixa. Enquanto a taxa média do empréstimo consignado é de 2,2% ao mês para trabalhadores com carteira assinada, essas fintechs oferecem taxas entre 0,79% e 1% ao mês, dependendo da modalidade. 

Por isso, vale a pena estudar as alternativas disponíveis e as condições de empréstimo. Um primeiro passo interessante é consultar os sites dessas empresas, entender como funciona cada modalidade e analisar os custos dos serviços de cada uma. 

A Nobli, por exemplo, é uma fintech que oferece empréstimo com garantia de investimento. Você pode usar seus investimentos em CDB, LCI, LCA, ações e debêntures para se capitalizar.  

Modalidade recente no Brasil, mas já disponível para clientes do segmento Private, esse tipo de operação é uma forma de incorporar o crédito de maneira saudável ao seu planejamento financeiro, pois ela permite que você realize seus planos sem afetar seus objetivos de longo prazo.