Aplicação queridinha dos brasileiros, o Certificado de Depósito Bancário, ou simplesmente CDB, é uma opção curinga na hora de montar a sua carteira de investimentos.  

Seja com liquidez diária ou resgate no vencimento, ele é bastante versátil, pois serve tanto para quem deseja construir quanto para quem quer preservar seu patrimônio. 

Mesmo assim, algumas vantagens do CDB ainda são desconhecidas pela maioria das pessoas, mesmo aquelas que já estão familiarizadas com as aplicações de renda fixa

A partir de agora, você vai descobrir 5 coisas que você precisa saber sobre CDB. Nem sempre eles têm tanto destaque, mas fazem toda a diferença para o seu planejamento financeiro.  

1 – Você está emprestando dinheiro a um banco, e de forma muito segura

O CDB é um depósito que você faz em um banco com prazo determinado para receber de volta o valor depositado acrescido de juros remuneratórios. Em troca desse depósito a prazo, o banco emite um certificado em seu nome, que antigamente era em papel mas hoje é um documento eletrônico que o banco também registra junto à B3.

O CDB é portanto um instrumento utilizado pelos bancos para captar recursos que posteriormente serão emprestados (a um juro maior) a quem tomar crédito com eles. Essa é a clássica intermediação financeira feita pelos bancos.

Portanto, o risco que você corre ao aplicar em um CDB é a possibilidade do banco não conseguir honrar o compromisso de te devolver o valor prometido na data de vencimento do certificado. Quando um banco não cumpre um compromisso desses, ele está insolvente e sofre um processo de intervenção pelo Banco Central.

Mas o Brasil possui um sistema de seguro de depósitos, administrado pelo FGC, que indeniza os investidores que aplicaram em instituições financeiras que sofrem processos de intervenção pelo Banco Central, até o limite de R$ 250 mil por CPF por instituição.

Para ficar completamente coberto pelo FGC, é preciso aplicar menos do que R$ 250 mil no banco, para “guardar espaço” no limite da garantia para os juros que você irá receber. Por exemplo, para um CDB com vencimento em 5 anos e que paga 10% de juros ao ano, o valor máximo que pode ser investido para não ultrapassar o limite do FGC é de R$ 250.000 / (1+10%)^5 = R$ 155.230,33.

Se a remuneração do CDB for pós-fixada, de por exemplo 130% do CDI, não é possível determinar no momento da aplicação o valor máximo que não ultrapassa o limite do FGC. Mas é possível fazer uma conta aproximada: obtenha a taxa pré-fixada equivalente ao prazo de vencimento do CDB acessando esse link, digitando “DI1” na pesquisa de símbolo, e selecionando o contrato de DI Futuro com vencimento mais próximo ao do CDB (se estamos em 2021 e o CDB vence em 5 anos, seria o contrato DI1F2027).

Suponha que essa taxa seja de 7,00%, e agora multiplique pelo fator de remuneração do CDB, ou seja 130% x 7,00% = 9,10%. Finalmente, use essa taxa final na fórmula e obtenha R$ 250.000 / (1 + 9,10%) ^ 5 = R$ 161.739,56 como o valor máximo a ser aplicado.

2 – Os CDBs podem servir como investimentos de curto e de longo prazo 

Existem milhares de opções de CDBs no mercado de renda fixa, com diferentes taxas e prazos.  

Você pode usá-los tanto para construir a sua reserva de emergência quanto para rentabilizar o seu patrimônio ao longo do tempo. De maneira geral, eles se dividem em duas grandes categorias: 

CDB com liquidez diária 

Mesmo que ele tenha uma data de vencimento definida, é possível resgatar o valor investido a qualquer momento, sem prejuízo na rentabilidade. Esses CDBs costumam vir marcados com essa opção e seu rendimento acompanha o CDI, taxa muito próxima à Selic e que serve como referência para as aplicações de renda fixa. 

CDB com liquidez no vencimento 

Essa opção é mais voltada para quem não pretende mexer em seu dinheiro por algum tempo. Geralmente, oferece rentabilidade maior, justamente porque considera um horizonte mais longo de investimento.  

3 – Existe investimento em CDB que repõe a inflação 

Além das opções de prazo, existem também alternativas em relação ao tipo de rentabilidade que um CDB oferece. Você pode, por exemplo, investir em um CDB com rentabilidade atrelada à inflação. Hoje no mercado estão disponíveis: 

CDB pós-fixado 

A rentabilidade é determinada em percentual (%) de algum indicador financeiro, geralmente o CDI. Assim, quando você se depara com um CDB que rende 120% do CDI, isso quer dizer que o investimento paga o valor do CDI hoje, mais um adicional de 20% sobre essa referência. 

Para facilitar, pense no seguinte exemplo: imagine que o CDI hoje esteja em 2% ao ano. Caso um CDB ofereça uma taxa de 120% do CDI, sua rentabilidade anual será de 2,40%. 

CDB prefixado 

A rentabilidade desse tipo de CDB é fixada antes da contratação. Dessa maneira, você já tem condições de calcular o quanto vai receber antes mesmo de fazer o investimento.  

Mas preste atenção: essa taxa só pode ser cumprida caso você mantenha a sua aplicação até o prazo de vencimento. Caso você precise resgatar antes, a rentabilidade depende das condições impostas pelo banco emissor desse título. 

CDB com taxa híbrida 

A rentabilidade é dada por uma taxa prefixada + uma variação que segue um indicador financeiro, que pode ser o CDI ou algum índice de inflação, como o IPCA (o indicador oficial brasileiro) ou o IGP-M (que está ligado à inflação do aluguel).  

4 – Se você resgatar um CDB antes do prazo de vencimento, não tem seu rendimento garantido 

Esse ponto vale para os CDBs com liquidez apenas no vencimento: caso você precise fazer um resgate antes do prazo, seu rendimento pode não ser garantido. 

Isso porque será necessário vender esse título no chamado mercado secundário, onde a liquidez é mais reduzida. Além disso, a instituição emissora do título pode cobrar taxas sobre o resgate antecipado.  

5 – Você pode usar como garantia de um empréstimo 

Mas se você precisar de dinheiro, não precisa resgatar seus investimentos em CDB para se capitalizar. Agora, você pode optar pelo crédito com garantia de investimento, uma nova modalidade de empréstimo pessoal

Nessa operação, você contrata valores proporcionais às suas aplicações, colocando-as como garantia de pagamento. Enquanto isso, seus recursos continuam investidos, sem nenhuma movimentação. Quer saber mais detalhes sobre como funciona? Clique aqui e saiba mais.